Estima-se que a cada 10 animais abandonados, 8 já tiveram um lar. E o número de animais nas ruas e/ ou que sofrem maus-tratos, continua grande. Além disso, o Brasil é o segundo país do mundo em população de cães e gatos, com um total de 55 milhões.

Muitas ONGs e protetores de animais trabalham diariamente de forma voluntária – para conscientizar, resgatar, cuidar e achar um novo lar para estes animais abandonados, mas a demanda é sempre muito grande, por isso, eles precisam de apoio recorrente e, na hora de salvar uma vida daqueles que não têm voz, toda ajuda é bem-vinda.

Algumas pessoas podem adotar. Outras, doam mantimentos, ração. Tem pessoas, ainda, que podem colaborar com habilidades e em eventos. Existem inúmeras Você ajuda a melhorar a vida de animais que foram abandonados! O mais importante é querer!

Separamos algumas ideias para você:

1. Doe ração, acessórios e remédios veterinários

Doações são essenciais no dia a dia de quem cuida de animais resgatados, pois permitem que o trabalho continue sendo realizado de maneira séria, correta, em prol da qualidade de vida dos animais. Tudo aquilo que um pet necessita, e muitas vezes estão sobrando em nossas casas, são de extrema importância para ajudar aqueles que realizam trabalho voluntário pelos animais: ração, potes de água e comida, caixas e  jornais (muito jornal! Para higiene dos ambientes), casinha, remédios, enfim, toda ajuda faz a diferença.

2. Castre um animal de rua

Lembre-se: não existe animal de rua, mas sim animal com dono que foi abandonado na rua. Um casal de animais pode gerar mais de 80 MILHÕES de novos filhotes em 10 anos (considerando 2 crias por ano, de 2 a 8 filhotes). Ao castrar, você colabora para o controle populacional e ajuda a reduzir o número de pets nas ruas.  Qualquer pessoa que se responsabilize em cuidar do jejum pré operatório, e depois de uns três dias do pós operatório, pode agendar e levar.

Em Mogi das Cruzes, a castração é gratuita para moradores da cidade. Para saber como agendar, ligue para o Centro de Controle de Zoonoses no 11 4792-8585 ou cliquei aqui.

Parceria entre ONG Grupo FERA e clínicas veterinárias oferece castração para cães e gatos a partir de R$ 50. Clique aqui e baixe o voucher de desconto

3. Curta e compartilhe publicações nas redes sociais

Hoje em dia, a maioria de nós tem redes sociais, principalmente Instagram e Facebook. Tenho certeza que você já viu, mais de uma vez, publicações de animais perdidos, para adoção, pedidos para ajudar em tratamento de animais resgatados ou para necessidades básicas, entre outros. Que tal, da próxima, curtir, comentar, compartilhar e marcar os amigos? É a maneira mais simples e prática de fazer com que outras pessoas cheguem até a informação, conheçam a necessidade e possam começar a ajudar!

4. Dê ajuda financeira 

A média mensal de custo de um animal é de R$ 200,00. Isso contando apenas despesas necessárias para que ele sobreviva sem dificuldades. Multiplique este valor por 10, 15 animais. A conta nunca fecha. Por isso, se você pode contribuir financeiramente para melhorar a qualidade de vida de cães e gatos que foram resgatados das ruas, procure ONGs e protetores sérios, muitos fazem um trabalho transparente e honesto para melhorar a vida de animais abandonados.

5. Ofereça lar temporário

Uma coisa é fato: tanto ONGs quanto protetores de animais estão superlotados de cães e gatos. Apesar do amor e a vontade de resgatar serem grandes, muitas vezes, os espaços são pequenos, e não comportam a quantidade de animais que se deseja resgatar. Por isso, lares temporários são tão importantes. Você pode, por exemplo, oferecer um lar a algum animal enquanto ele passa por tratamento, se recupera de uma cirurgia, ou simplesmente enquanto esperam um novo adotante.

6. Faça trabalho voluntário

Que tal unir sua vida profissional com um voluntariado? Muitas ONGs precisam de voluntários fixos para ajudar, de acordo com sua habilidade. Você pode ajudar a fazer um site, cuidar das redes sociais, organizar finanças, enfim, são várias possibilidades, a depender da sua área de atuação! Se você tem interesse e comprometimento, entre em contato e veja como pode colaborar. Toda ajuda é bem-vinda!

7. Ajude em eventos de doação de animais ou arrecadações

Estamos em época de pandemia, em que eventos que provoquem aglomeração de pessoas e não respeitem o distanciamento social não acontecem (daí a importância de ajudar ainda mais em outros itens, como compartilhamento e doações), mas protetores e organizações dependem de eventos de doação de animais e arrecadação de recursos para continuar sobrevivendo. E a ajuda nesta hora, também é essencial. Sempre é importante que voluntários estejam disponíveis para dar atenção a possíveis adotantes, ou cuidar da estrutura, realizar a parte de conscientização de guarda responsável, manutenção do evento, enfim, em eventos físicos, também existe uma gama de possibilidades de fazer o bem!

8. Socorra um animal doente ou atropelado

Caso você veja um animal atropelado, doente, ou vítima de maus-tratos nas ruas, a primeira providência a se tomar é acionar algum protetor ou ONG para que resolvam o problema, certo? ERRADO.

Quem ajuda a causa animal recebe diariamente pedidos de ajuda como este e, infelizmente, não existem recursos nem pessoas suficientes para suprir a necessidade de toda cidade. Caso veja algum animal atropelado ou doente, preste socorro, levando a uma clínica veterinária ou a um hospital veterinário mais próximo.

Após socorrê-lo, divulgue nas redes sociais o animal, ele pode estar perdido. Se não encontrar os donos e você não puder ficar com o animal, recorra, então, a ONGs, protetores, para que ajudem a compartilhar o animal e, assim, achar um lar o mais rápido possível para ele.

9. Dê carona a um protetor

Como já falamos, protetores de animais realizam este trabalho voluntário por amor aos animais. Trabalham (quando têm trabalho), estudam, têm famílias, pagam impostos, etc. Nem sempre têm muitos recursos para fazer o que for necessário pelos pets, principalmente por aqueles que precisam ser levados em consultas com frequência, veterinários ou algum tipo de tratamento. Se você puder, se ofereça para levá-lo ao veterinário ou ao local que for necessário. Muitas vezes, utilizar o transporte público com animais machucados ou de porte grande é inviável.

10. Não compre, adote 

Estima-se que, no Brasil, existam mais de 30 milhões de animais abandonados, a espera de um lar. Em vez de comprar um animal de estimação, pense em adotar de ONGs e protetores de animais. Você salva a vida do pet adotado, e ainda dá lugar e oportunidade para que animal seja resgatado das  ruas. Existem cães e gatos de todas as idades, que se adaptam ao perfil do novo tutor, dos mais calmos aos mais agitados. Inclusive, adotar um animal adulto traz outra vantagem: seu temperamento não mudará.